10 Outubro, 2018
Posted in Blog
22 Agosto, 2017 Amie Gavinho

Check-up: quão saudável é a sua organização?

Considere a seguinte descrição de uma empresa fictícia:

 

Na “United para o Futuro” as pessoas sentem-se aborrecidas, cansadas e desmotivadas mas a taxa de saída da empresa é baixíssima. As pessoas escolhem “aguentar-se” porque o mercado está instável e ao menos desta forma asseguram o seu salário. Na empresa estão todos focados em si próprios, assim, quando é necessário colaborar gera-se competição desleal. Mediante dificuldades ou obstáculos os colaboradores retraem-se e acusam os outros. A aprendizagem é dificultada por uma insuficiência de feedback construtivo, baixo nível de autonomia e por uma centralização da tomada de decisão ao nível da liderança. A tolerância ao erro é baixa e a promoção da inovação inexistente, desta forma os colaboradores não questionam nem se envolvem na melhoria da empresa.

 

Acha a descrição exagerada? Se lhe perguntassem quão saudável é a “United para o Futuro” o que responderia?

 

Sabemos que o nível de eficácia funcional ou metabólico de um dado organismo determina a sua saúde. No caso das Organizações, pode dizer-se que uma empresa saudável é aquela que mediante um desafio tem a capacidade de se auto-gerir ou adaptar superando a situação.

 

O que acha? A “United para o Futuro” representaria uma empresa saudável? E no seu caso: Trabalha numa Organização Saudável?

 

Abaixo listamos um conjunto de afirmações que o poderão auxiliar a realizar um auto-diagnóstico do nível de saúde da sua Organização:

 

  1. Os membros da organização não oferecem sugestões de melhoria construtivas apesar de serem capazes de identificar problemas.
  2. Os membros da organização não se envolvem nem responsabilizam pelos problemas considerando que é papel das chefias fazê-lo.
  3. Solicitar ajuda é um sinal de fraqueza, existindo uma predominância de competição em vez de colaboração.
  4. As pessoas não confiam umas nas outras.
  5. Em situações de crise as pessoas culpabilizam-se umas às outras.
  6. A aprendizagem é dificultada sendo que as pessoas aprendem somente com os próprios erros não considerando a experiência dos colegas e pares.
  7. O feedback é praticamente inexistente ou inútil.
  8. A tomada de decisão está centralizada nas chefias e as decisões são tomadas com informação e dados insuficientes.
  9.  A liderança tem dificuldade em responsabilizar adequadamente as suas equipas pelas tarefas que têm a realizar.
  10. Os membros da organização desconhecem o rumo e os objectivos para os quais a empresa procura trabalhar.
  11. É dada pouca autonomia aos níveis hierárquicos inferiores.
  12. Existe um baixo nível de tolerância ao erro sendo importante minimizar o risco.
  13. Os membros da organização realizam os processos e procedimentos sem questionar o status-quo dizendo que se fez sempre assim.
  14. Desempenho abaixo do requerido é gerido de forma arbitrária.
  15. Os colaboradores sentem-se desmotivados, cansados e desligados da empresa, envolvendo-se ao mínimo nas actividades da mesma.

 

Alguma das afirmações anteriores descreve a realidade da sua Organização? Se três ou mais afirmações espelham a realidade na sua empresa, provavelmente a sua Organização beneficiará com um check-up precisoSe nenhuma das afirmações anteriores espelhar a realidade vivida na sua Organização, parabéns, porque está no bom caminho!

Outras Sugestões

,
Free eBook - Pandemic Lessons for Top Management Teams